fbpx

Encontro com Deus

Minha mãe diz que “a boca fala aquilo do qual a alma está cheia”. E é verdade. Sempre concordei. E sempre percebi esta frase com uma conotação negativa. Como aquela torrente de palavras e palavrões que desaguam de forma catártica no auge de uma discussão…

Mas a Vida…a Vida é mais rica e surpreendente do que podemos imaginar. E Deus sempre está ali, disposto a dialogar conosco, nos mostrar a grandeza de sua criação.

Foi nesta última terça-feira. Ainda era escuro, seis horas da manhã, no molhe da Praia da Atalaia. Eu chegava para mais um treino de corrida, ensimesmada pela rotina pesada desta época. Ainda reprisando em mim as broncas administradas no dia anterior (nestes momentos, minha Fé no espírito humano é realmente testada).

Mas eu não imaginava que Deus iria me alcançar ali, antes mesmo do alvorecer do dia.

Meu treinador chegou animado, olhando as estrelas que ainda luziam no céu. Eu, que andava cabisbaixa, levantei a cabeça para contemplar a mais brilhante estrela daquele firmamento. Qual seria o seu nome?

Ele sacou seu celular com um aplicativo que até então eu não conhecia (Sky Map) e descobriu que se tratava de Vênus.

Aquela visão, aquela experiência, foi me tirando aos poucos de Marte. Os conflitos foram batendo em retirada aos poucos das fronteiras da minha mente, à medida em que minhas passadas iam cadenciando com a respiração eu ia reconquistando o meu chão.

_ Olha só, os navios em alto mar! _ avistava o treinador, entre uma e outra história de seu mais recente empreendimento.

E se Deus pilotasse um Uber? Teria a oportunidade de nos contemplar, distraídos em nossas humanidades cotidianas. Ao certo veria poesia em nossos lapsos e vulnerabilidades.

Paramos um pouco o trote para registrar as cores do alvorecer. O Criador amanheceu inspirado e tingiu o céu com todas as matizes entre o azul e o vermelho, acrescentando ainda o brilho dos primeiros raios de sol de um dia de verão.

Chegamos à areia fofa da praia: neste trecho, todo aquele mal estar que fazia sobra sobre o meu coração já se dissipou. É hora de forçar as pernas e correr também pela água, me preparando para a experiência que terei daqui a um mês, no Revezamento da Ponta do Papagaio. Neste trecho do treino, minha alma – já transformada – vibra na mesma frequência que experimentei em 2017, ano em que corri a Ponta do Papagaio pela primeira vez.

Sinto uma imensa Gratidão por poder estar, em plena temporada, criando um tempo para cuidar da minha Saúde e do meu Equilíbrio.

Sei que agindo assim, estou direcionando minha vida de forma responsável e positiva Estou impactando de forma significativa e amorosa também a minha família e os meus colaboradores. A cada passada, surge a imagem de alguém a quem sou grata. São tantas pessoas que os quilômetros na areia passam leves.

Como diz aquela música: “ando (corro) devagar porque já tive pressa e hoje carrego este sorriso porque já sofri demais”…

Encontro com Deus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.